Segunda-feira, 18 de Junho de 2007

Cromeleque dos Almendres

 

Possui este nosso Portugal verdadeiras riquezas, tanatas vezes desconhecidas...bem próximo de Évora, o cromeleque dos Almendres. Já ouvíramos falar. Foi possível agora uma visita.

 

 

 

Este sítio arqueológico é composto dpor diversas estruturas megalíticas: cromeleque, menir e pedras, pertencendo a primeira ao denominado "universo megalítico eborense", com nítidos paralelos noutros cromeleques, como no caso da Portela de Mogos, em Montemor o Novo.
O menir encontra-se implantado no topo da encosta a c. de 1,3 Km da NE. do Cromeleque. De granito porfiróide, com c. de 3,50 m de altura, a partir da superfície do solo, e de secção elíptica de 1,20 x 0,80 m, foi reerguido pelo seu proprietário, embora se suponha que a sua localização original não deveria encontrar-se muito longe da actual.
O cromeleque foi descoberto pelo investigador Henrique Leonor Pina, em 1964, quando se procedia ao levantamento da Carta Geológica de Portugal. Abrangendo uma larga faixa cronológica, desde o Neolítico Médio até à Idade do Ferro - i.e., desde finais do 6.º até inícios do 3.º milénio a. C. -, este sítio apresenta, entre outros elementos, um cromeleque
e planta circular irregular, composto por c. de 95 monólitos graníticos colocados em pequenos agrupamentos numa área de, aproximadamente, 70 x 40 m, com uma orientação NW-SE.
Em relação aos monólitos propriamente ditos, eles possuem, no seu conjunto, forma almendrada, alguns de consideráveis dimensões, com c. de 2,5 m de altura, apesar da preponderância dos de pequenas dimensões. Quanto à sua decoração, constata-se a presença nalguns destes monólitos das denominadas "covinhas" ou linhas sinuosas e radiais. Alguns deles, quer pela profusão da gramática decorativa, como pelo seu posicionamento estratégico no seio de todo o conjunto, parecem assumir o papel de autênticos "menires-estelas". Na verdade, o "menir 48" exibe uma representação antropomórfica esquematizada, rodeada por círculos e associada a representações de báculos. Para além deste, o "menir 57" apresenta 13 figurações de báculos, executadas em relevo e à escala natural.
No que toca ao espólio móvel encontrado durante as diferentes campanhas de escavação, foram recolhidos fragmentos cerâmicos e um machado de pedra polida.
Dever-se-à ainda sublinhar que a maior parte destes 95 monólitos encontrava-se apeada até serem recolocados pela equipa coordenada pelo investigador Mário Varela Gomes, que teve o especial cuidado de identificar a sua primitiva localização.
Entretanto, esta mesma equipa tem tentado encontrar o povoamento que lhe estaria associado, identificando um pequeno povoado calcolítico nas suas imediações, cuja investigação se torna imprescindível para uma melhor e mais completa compreensão do mundo que os concebeu e as gentes que os construíram e re-utilizaram ao longo dos séculos. Com efeito, este trata-se de um sítio cultual com forte carga mágico-simbólica, que denuncia um exemplo singular de reutilização de um mesmo espaço sacralizado ao longo dos tempos. Reflecte, também por isso, as próprias transformações económicas, sociais e ideológicas ocorridas nesta larguíssima faixa temporal e neste que é considerado, até ao momento, o maior conjunto de menires estruturados da nossa península, e um dos mais relevantes do megalitismo europeu.
[AMartins] IPPAR

 


publicado por tpf às 00:02
link do post | comentar | ver comentários (4) | favorito
Domingo, 17 de Junho de 2007

Imagens e viagens...

Finalmente...fomos conhecer a " mítica " Monsaraz...

Um deslumbramento...

 

 

  

    

  

 

 

Considerada uma das mais antigas vilas de Portugal, Monsaraz regista indícios de povoamento desde tempos pré-históricos, sendo inicialmente um castro fortificado. A partir de então foi sendo sucessivamente ocupada até ao período de formação da nacionalidade, sendo conquistada pela primeira vez aos Muçulmanos em 1157.
Voltando ao domínio dos almôadas depois de D. Afonso Henriques ter sido derrotado em Badajoz, a povoação viria a ser reconquistada por D. Sancho II (1232) que a doou à Ordem do Templo.

No entanto, o repovoamento cristão de Monsaraz só iria efectivar-se no reinado de Afonso III, quando o monarca lhe concedeu o primeiro foral, fixando os limites do concelho. Nos anos seguintes foi edificado o núcleo primitivo do castelo, incluindo a torre de menagem, a matriz e o tribunal Gótico, cujo interior alberga o fresco de “O Bom e o Mau Juiz”. Ao longo do século XVI e com a reforma Manuelina do foral, a povoação foi crescendo, instituindo-se localmente uma Irmandade da Misericórdia.

Durante as Guerras de Restauração, devido à proximidade com o Guadiana e a fronteira espanhola, a Coroa mandou edificar uma nova fortaleza em redor da vila, utilizando o sistema franco-holandês, ou de Vauban. O projecto da nova praça de armas foi desenhado pelos engenheiros franceses Nocilau de Langres e Jean Gillot1 e a edificação foi avançando significativamente, apesar de pontuais faltas de verbas.

Embora a planta do Forte de São Bento tivesse sido desenhada em forma estrelada, a morfologia do terreno onde se implanta levou a algumas alterações da planimetria. Com três baluartes, parapeito e uma cortina artificial, estendia-se em torno de toda a povoação, integrando no pano de muralhas a Ermida de São Bento.

A partir do século XIX, quando a sede de concelho foi transferida para Reguengos de Monsaraz, a fortificação ficou votada ao abandono, o que originou que alguns dos seus elementos ruíssem. No entanto, a estrutura muralhada continua a predominar na paisagem urbanística da vila de Monsaraz.

Fonte: IPPAR

 

 

 


publicado por tpf às 23:42
link do post | comentar | favorito

.o meu poema...

... Gostava de ser poeta/dizer o indizível/pensar o impossível/...agarrar a palavra certa!

.Outubro 2008

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10
11

12
13
14
15
16
17
18

19
20
21
22
23
24

26
27
28
29
30
31


.posts recentes

. Cromeleque dos Almendres

. Imagens e viagens...

.tags

. ´monsaraz

. 11 de setembro

. 25 abril

. 25 de abril

. a. caeiro

. abba

. abertura

. absurdo

. actualiadade

. actualidade

. agricultura biológica

. alegria

. alfabetização

. algarve

. almendres

. alviela

. alvorada

. amar_sofrer

. ambiente

. amizade

. amor

. amor-ódio

. amorpelafotografia

. amorpelasférias(!)

. amorporportugal

. amorportugal

. ano

. ano da terra

. ano internacional

. ano novo

. anseios

. arqueologia

. arte

. aspiração

. ausencia

. autobiografia

. azulejos

. barata moura

. beijo

. beirabaixa

. bernardo de chartres

. big bang

. big brother...

. bio

. biografia

. blogue

. boff

. brecht

. budismo

. cabedelo

. caetano veloso

. calendario

. calendário

. calma

. capitalismo

. cat stevens

. ciência

. contentamento

. conversao

. crendice

. cristianismo

. cromeleque

. cruz

. culpas

. desejo

. desencontros

. destaque sapo

. desumanizaçao

. deus

. escolha

. esperança

.

. felicidade

. filosofia

. humor

. imagens

. kafka

. liberdade

. madonna

. música

. musica

. musicvid

. natureza

. oração

. pensamentos

. poesia

. política

. portugal

. reflexão

. relações

. religião

. responsabilidade

. sexo

. teatro

. tempo

. temporalidade

. tomar

. torga

. viagens

. vida

. todas as tags

.posts recentes

. Cromeleque dos Almendres

. Imagens e viagens...

.pesquisar

 

.subscrever feeds